Tag Archives: Axel Springer

O primeiro dia no die tageszeitung – parte 2

Após almocar com a Doris, meu contato aqui, tudo ficou mais claro. Adquiri um cartão na cantina, que custa 7 euros reembolsáveis, para consumir qualquer coisa com preco de funcionário, ou seja, 50% de desconto. Ainda não tenho meu próprio login e estou me auto-pautando. Amanhã acontecem duas coisas importantes por cá: um evento da Embratur de apresentacão da Copa no Brasil para os alemães e a abertura da ITB, onde estará Angela Merkel, às 18h. Já consigo me imaginar berrando: “Angela, sprechen mit mir! Ich komme aus Brasilien!” Penso também em aplicar um “wir lieben dich” para conseguir trocar uma palavrinha. No entanto, já sei que vai ser difícil pacas e vai haver centenas (ou milhares) de jornalistas lá.

Meu chefe não está hoje. Mas a subeditora, que chama-se Beate, é bem simpática, apesar de não ter me dado trabalho. A rotina de redacão é um bocado diferente cá. Para comecar o die Taz não é um jornal comum. É uma cooperativa jornalística que se auto-denomina independente e “contrária aos grandes monopólios que atuam sobre a opinião pública”, ou seja, são um tanto quanto “inimigos” da Axel Springer, o maior conglomerado de mídia alemão, que fica logo aqui, dobrando a esquina.

Além da cafeteria, que serve um almoco delicinha por apenas 4 euros, há uma cozinha no jornal, com microondas. Há café, chá, achocolatado e leite disponível para os jornalistas. Como o jornal fica ao lado de um dos mais badalados pontos turísticos de Berlim, é provável que comer em outros restaurantes seja mais caro. Aliás, eu só paguei 4 euros pq trabalho aqui, senão pagaria o preco normal: 8 euritos. Uma coisa engracada é que alguns gostam de escrever de pé. Isso mesmo. As mesas são ajustáveis para ficar sentado ou trabalhar em pé. Entretanto, a minha mesa é um bocado mais antiga e só posso ficar sentada criando barriga 😛

Pedi gentilmente para que todos falem comigo apenas em alemão. Acaba sendo normal às pessoas me responderem em ingles, já que eu pareco uma analfabeta falando alemao. Mas isso vai melhorar. Já estou bem melhor se comparar com meu primeiro dia em Berlim. Aliás, uma dúvida que não quer calar: BerliM ou BerliN?

Leave a comment

Filed under Durante

Diário do treinamento

Outras cinco latino-americanas e cinco alemães foram selecionados para participar da edição do IJP desse ano. Nos conhecemos no domingo, no lobby no hotel Radisson Blu, onde ficamos hospedados até quarta-feira para a realização de uma espécie de treinamento. No domingo, tivemos uma conversa introdutória e “brunchamos” juntos. À tarde, visitamos a prisão da Stasi durante a Guerra Fria, mas isso é assunto para outro post.

O aquário gigante com peixes tipo a Dory do Nemo. Na recepção do Radisson Blu Hotel

O aquário gigante com peixes tipo a Dory do Nemo. Na recepção do Radisson Blu Hotel

Na segunda-feira iniciaram as palestras com representantes de empresas e jornalistas que por cá trabalham. Conhecemos um dos diretores da Axel Springer, uma das maiores, se não for a maior, empresa de mídia alemã. Eles são donos do Bild e do Welt, dois dos maiores jornais do país. Nesse dia, também conversamos com jornalistas correspondentes. Na terça, o papo foi com um representante do ministério das relações exterior Alemanha – América Latina. Quando ele começou a falar de negócios entre os dois países e citou que uma fábrica da BMW seria instalada em Santa Catarina, pensei que seria uma boa ideia perguntar sobre negócios com o Rio Grande do Sul. Me renderia uma boa pauta para o Correio do Povo. Enfim, não consegui arrancar nada e nem marcar uma entrevista para depois: Ele não está autorizado a falar.

O local do treinamento ficava ao lado do Portão de Brandenburgo. O prédio é da Allianz. Fotografei o máximo que pude lá de cima, porque a vista é maravilhosa e não são todas as pessoas que têm a chance de fazer isso. À esquerda de onde eu estava fica um hotel norte-americano no qual o Michael Jackson quase atirou o filho sacada abaixo quando foi apresentá-lo para a imprensa (lembram?). Em um dos dias, alguns manifestantes se reuniram na praça entre o hotel e o Portão para protestar sobre algum campo de refugiados. Se aproveitaram que um ministro norte-americano estava por ali para pedir ajuda ao USA. A polícia alemã chegou logo, com vários furgões azul-escuro, e ficou ali parada, observando. Nenhum confronto aconteceu. Só as músicas que eles cantavam eram um pouco enjoativas.

O queridinho número 1 dos turistas: Brandenburg Tor

O queridinho número 1 dos turistas: Brandenburg Tor

A praça entre o portão e o Adlon. Não tinha nada ali durante a II Guerra, pois ficava entre os dois muros (sim, eram dois!)

A praça entre o portão e o Adlon. Não tinha nada ali durante a II Guerra, pois ficava entre os dois muros (sim, eram dois!)

Hotel Adlon, de onde o Michael Jackson quase atirou o filho recém-nascido

Hotel Adlon, de onde o Michael Jackson quase atirou o filho recém-nascido

1 Comment

Filed under Durante